31 de ago de 2005

3ª Semana de Meio Ambiente da USP

3ª Semana de Meio Ambiente da USP

31/08/2005

Agência FAPESP - A 3ª Semana de Meio Ambiente da Universidade de São Paulo (USP) ocorrerá de 11 a 16 de setembro, na capital paulista.

Serão abordados temas educacionais, sociais, políticos, econômicos e ambientais. A programação inclui apresentações de dança, exposições, palestras, oficinas, mesas-redondas, mostras de vídeos, feiras de livros e de produtos ecológicos

"Cultura e ambiente", "Ambiente urbano", "Educação ambiental", "Cultura indígena" e "Protocolo de Kyoto no Brasil" estão entre os tópicos a serem discutidos.

Mais informações: www.cepa.usp.br.

Direto do mar

Pesquisadores da Unicamp aperfeiçoam método de separação de compostos químicos para a avaliação do frescor do pescado
Direto do mar

31/08/2005

Por Thiago Romero

Agência FAPESP - Quem não gosta de saborear um peixe fresco? O problema, muitas vezes, é identificar se o alimento está realmente adequado ao consumo. Uma pesquisa de doutorado, apresentada na Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), aperfeiçoou uma técnica de laboratório que tem o objetivo de assegurar a qualidade dos pescados.

Os pesquisadores trabalharam em cima da técnica de cromatografia de camada delgada que utilizava o benzeno na etapa de separação dos compostos. "Nossa intenção foi substituir o uso do benzeno por ser um solvente muito tóxico. Desenvolvemos um novo sistema de solventes para separar e determinar compostos que podem servir como índices químicos de frescor do pescado, como as aminas biogênicas", disse Judite Guimarães, uma das autoras do estudo, à Agência FAPESP. O novo sistema de solventes é baseado em clorofórmio, éter dietílico e trietilamina.

As aminas biogênicas estão presentes em baixas quantidades nos alimentos e são necessárias para as funções fisiológicas do homem. Quando presentes em concentrações elevadas, podem causar reações alérgicas, sendo importante seu controle em alimentos.

Foram analisadas amostras de lulas (Illex coindetii) e sépia (Sepia officinalis), além de duas espécies de peixe capturadas no Atlântico Norte: o Gadus morhua, que processado resulta no bacalhau, e o Melanogrammus aeglefinus, conhecido como hadoque.

A pesquisadora estudou ainda outros compostos que podem servir como índices químicos para avaliação do frescor do pescado, como bases nitrogenadas voláteis, triptofano livre e uréia. "Esses compostos existem em pouca quantidade no peixe fresco. Com o armazenamento, os compostos vão aumentando e, a partir daí, é possível identificar o grau de deterioração do pescado", explica a bióloga.

As bases nitrogenadas voláteis e o triptofano livre foram considerados bons índices de frescor tanto para a lula como para a sépia. No caso da uréia, ela pode ser útil apenas para avaliar o estado de conservação da sépia. O mesmo vale para a trimetilamina em relação ao frescor das lulas. "No caso das duas espécies de peixes nenhum dos índices químicos estudados foi adequado para avaliação dos índices de frescor", disse Judite.

"A técnica para determinação de triptofano livre é considerada uma metodologia simples e que pode ser utilizada para controle de qualidade de pescados, principalmente lulas, pela indústria pesqueira", sugere a pesquisadora.

A tese foi orientada pelo professor Pedro Eduardo de Felício, da FEA, e a parte experimental do estudo foi realizada na Suécia, sob orientação de Jana Pickova, professora da Universidade de Ciências Agrárias de Uppsala.

27 de ago de 2005

Workshop on taxonomy of deep-sea copepods

Workshop on taxonomy of deep-sea copepods

P. Martínez Arbizu (Senckenberg Institute, Germany) & H.K. Schminke (University of Oldenburg, Germany)

A CeDAMar workshop and training course on taxonomy of deep-sea copepods will be held in Wilhelmshaven, Germany on November 21-29 2005. Application is open now!

Rationale
Copepods are the second most abundant metazoan taxon in deep-sea sediments. Although density of copepods is generally low in abyssal depths, their diversity is astonishing. A typical multicorer sample can yield 30-50 species, practically all of them being new to science. Copepods play an important role in the characterization of abyssal communities as they are sensitive to changes in food availability, disturbance and sediment type. The benthic copepod community is dominated by harpacticoid copepods, while hyperbenthic species usually belong to the Cyclopoida and Calanoida.

Several nations are currently involved in deep-sea studies concerning evaluation of disturbances caused by possible deep-sea mining activities, by impacts of deep-sea effluents or waste dumping, or by the study of latitudinal diversity gradients. Such studies normally consider meiofauna at high a taxonomic level only like nematodes, copepods etc. A more detailed study is possible when lower taxonomic units like genus or even species are considered.

The current workshop will consist of 2 modules. The first module is a 6 days training course in the identification of deep-sea copepods. This module is intended for students and scientists involved or interested in the study of deep-sea meiofauna samples, or wanting to acquire basic knowledge for species-level identification of major deep-sea copepod groups. The second module will consist in discussions on how to deal with the great number of undescribed species in the deep sea, to develop strategies and tools for the intercalibration and quality assurance of identifications of deep-sea copepods, on how to deal with "working species", and on how to better cooperate and interconnect while running deep-sea programs.

Dates: 21-30 November 2005

Venue: The workshop will be held at the German Centre for Marine Biodiversity Research DZMB-Senckenberg in the city of Wilhelmshaven, Germany. Accommodation in double-room can be made available at the institute at a rate of 10 Euro per person/night. The nearest international airport is Bremen Airport.

Number of participants: 10-15 persons

The workshop is supported by a grant of the Alfred Sloan Foundation to CeDAMar. Travel support can be made available on request.

Application: Written application including short cv, personal interests, and requested funding support should be sent by email to dzmb@senckenberg.de. Deadline for application: October 1st, 2005.

The workshop is an activity of the Census of Abyssal Marine Life program âEURoeCeDAMarâEUR� supported by the Census of Marine Life âEURoeCoMLâEUR� and the Alfred Sloan Foundation.

www.cedamar.org

www.coml.org

Preliminary Program

    Date
    Topic

     21 November
    Introduction to workshop. Methods of deep-sea meiofauna research. Copepod morphology. Sorting and dissecting methods.

     22 November
    Harpacticoid copepods. Introduction to abyssal families. Tips and tricks for the identification on family-level.

     23. November
    Harpacticoid copepods. Identification to family- and genus-level (cont.)

     24. November
    Harpacticoid copepods. Identification to species-level

     25. November
    Cyclopoid copepods

     26. November
    Misophrioida and Calanoida

     27. November
    Discussions and strategies 1

     28. November
    Discussions and strategies 2

     29. November
    Discussions and strategies 3

1º Simpósio de Nutrição e Saúde de Peixes

1º Simpósio de Nutrição e Saúde de Peixes

26/08/2005

Agência FAPESP - O 1º Simpósio de Nutrição e Saúde de Peixes será realizado de 7 a 9 de novembro, no auditório da Faculdade de Ciências Agronômicas da Universidade Estadual Paulista, em Botucatu, interior de São Paulo.

"Nutrição e saúde de peixes no Brasil", "Alimentos funcionais", "Nutrição e estresse de peixes" e "Imunoestimulantes em dietas para peixes" são alguns dos temas a serem discutidos pelos participantes.

Mais informações: www.fmvz.unesp.br/peixe ou (14) 3811-7187 e (14) 3882-6300.

20 de ago de 2005

2005 AGU Fall Meeting Session OS065: High-Latitude Ocean Dynamics and Biogeochemistry

2005 AGU Fall Meeting Session OS065: High-Latitude Ocean Dynamics and Biogeochemistry

We encourage submissions for this special session at the 20-24 February 2006 Ocean Sciences Meeting (www.agu.org) in Honolulu. The online Abstract Submission deadline is 20 October 2005, please see http://www.agu.org/meetings/os06/ for details. Please excuse multiple postings.

session OS065:  High-Latitude Ocean Dynamics and Biogeochemistry
CONVENERS:
Irina Marinov (MIT) imarinov@mit.edu
Mick Follows (MIT) mick@ocean.mit.edu
Arnold Gordon (Lamont-Doherty/Columbia) agordon@ldeo.columbia.edu

DESCRIPTION:
        The global carbon cycle is strongly regulated by the large reservoirs of carbon and nutrients in the ocean's deep waters. However, observational constraints and the low resolution of global carbon cycle models leave us without a clear understanding of the physical-biogeochemical interactions which set the deep water properties such as pre-formed nutrients and the disequilibrium carbon pump at the point of deepwater formation and shortly thereafter.

        We seek to bring together physical and biogeochemical oceanographers to address the dynamics of high latitude processes and their implications for regional and global ocean biogeochemical cycling. We encourage contributions from both observational and theoretical perspectives concerning the physical and biogeochemical dynamics of high latitudes waters, observations of the physical and biogeochemical properties of the oceans deep waters, interpretation of the implications for atmospheric carbon dioxide and relevance for climate change.

Irina Marinov
Postdoctoral Fellow
Dept. of Earth, Atmospheric and Planetary Sciences Massachusetts
Institute of Technology Cambridge, MA 02139 office (617)452-2977 cell
(617)230-9923

I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA AMBIENTAL COMEMORATIVO AOS 10 ANOS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA AMBIENTAL

I SIMPÓSIO DE CIÊNCIA AMBIENTAL COMEMORATIVO AOS 10 ANOS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA AMBIENTAL

15 e 16 de setembro de 2005

Apresentação

O Simpósio Comemorativo aos 10 anos do Curso de Mestrado em Ciência Ambiental, evento promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental (PGCA), contará com a participação de professores e alunos que ao longo desses 10 anos foram construindo as bases deste curso.

O evento será realizado na cidade de Niterói-RJ, no campus da Praia Vermelha da UFF (Auditório do Instituto de Geociências) nos dias 15 e 16 de setembro de 2005.

Objetivos    

O Simpósio tem como objetivo proporcionar um fórum de debates e intercâmbio de experiências, abordando temas relevantes para a ciência ambiental. Nesta oportunidade contaremos também com os trabalhos produzidos pelos alunos e ex-alunos do curso, como forma de caracterizar e avaliar metodologias da ciência ambiental enfocando estudos de casos e experiências durante seus 10 anos de existência.

Normas de apresentação do trabalho

Os textos deverão ser fornecidos em arquivos que utilizem o formato de processador de texto Word 97 ou superior. Não será aceito nos resumos figuras ou gráficos.

O texto deverá ser formatado para um tamanho de página A4, com margens superior, inferior e direita de 2 cm. A margem esquerda deverá ser de 3 cm. Deve ser empregada fonte Times New Roman, corpo 12 justificado. O título deverá ser em negrito e caixa alta. O espaçamento entre as linhas deverá ser simples. O resumo para os Anais não deverá exceder uma página. O texto completo, para publicação na revista Mundo & Vida,  não deverá exceder 3 páginas.  

Após o título deverão aparecer o nome, formação e instituição do(s) autor(es). Em seguida, deverão constar o endereço, telefone e endereço eletrônico dos autores. Estas informações devem ser em Times New Roman 11, espaçamento simples e centralizado.

O corpo do trabalho deve ser organizado segundo um encadeamento lógico, através de subtítulos "Introdução", "Objetivos", "Metodologia", "Resultados e Discussão" e "Referências". Na redação, não deve ser empregada a primeira pessoa e o estilo a ser adotado deve ser objetivo e sóbrio, compatível com o recomendável para um texto científico.

Os trabalhos selecionados deverão ser apresentados em formato de pôster (0,90 x 1,00 m), ou comunicação, no dia do evento.  

Envio de Resumos ? Data limite

Os interessados em divulgar seus trabalhos devem enviar os resumos bem como a ficha de inscrição para o PGCA até o dia 30 de agosto. Os resumos deverão ser entregues em duas cópias impressas e em disquete ou CD, acompanhados da ficha de inscrição e comprovante ou cópia do pagamento pelo correio para:Caixa Postal: 100.436
CEP 24001-970
Niterói-RJ  

Os resumos também podem ser enviados por email para pgca@vm.uff.br ou egbakel@vm.uff.br.

7 de ago de 2005

5th Surfing Reef Conference in late July 2006

5th Surfing Reef Conference in late July 2006  

Folks
  
With pleasure, this is the first announcement for the upcoming surfing reef conference in Lombok, Indonesia. For the surfers, that's the island with Banco Banco (Desert Point). We encourage people who have any interest in the coast with a penchant for reefs to attend. We are keen to have papers for both natural and artificial reefs, beaches and coasts in general from everyone with any work or personal interest. This conference also incorporates the First Surfing Pools Conference.  

The website can be found on www.asrltd.co.nz/conference.htm

Please also check the website www.xpo-photo.net  to view some of the wonderful surf at Inside Ekas and Outside Ekas in South East Lombok.  The Surfing Reef Conference venue overlooks the Inside Ekas surf break and Outside Ekas is within walking distance from the venue.  

Please get your calendars marked and leave the space in your schedule for this event.  

As this is the first email, there may be some of you on the email list that don't want to be included. Just let us know and we will zap the address for you.  If this has come to you more than once, please advise which email you would prefer us to use in the future.  

All the best  

Kerry Black  

Dr Kerry Black  
Managing Director, ASR Ltd  
Post:   PO Box 67, Raglan, New   Zealand  
Physical: 1 Wainui Rd, Raglan  
Ph  +64 7 825 0380  
Fax + 64 7 825 0386  
Mobile  +64 (0) 21 367 277

www.asrltd.co.nz
www.heavenontheplanet.co.nz

6 de ago de 2005

Training Course On COASTAL EROSION MANAGEMENT, Porto - Portugal, September, 12-16, 2005

Announcement of an International Training  Course On COASTAL EROSION MANAGEMENT

September, 12-16,   2005
Faculty of Engineering of the University of Porto,  Portugal

* Course WEBSITE  *

Please visit the  training course website at
http://www.fe.up.pt/~fpinto/Erosion

Dear  All,

Please visit http://paginas.fe.up.pt/~lpneves/CEM_finalProg.pdf for the final  programme and other relevant  information for our forthcoming coastal erosion management training course to be held in Porto - Portugal on September 12th to  16th.

We would urge you to apply quickly for this course as we have received considerable forward  registrations of interest and have already  accepted some.

If you have any further queries then please do not  hesitate to contact me.

Kindest regrads,

Luciana das  Neves

Please circulate to colleagues who you think will be  interested

***

Luciana das  Neves

MSc., Civil  Eng.
Hydraulics and Water Resources Institute
Faculty of Engineering - University of Porto
Rua  do Dr. Roberto Frias
4200 - 465 Porto, PORTUGAL  
Tel: + 351 22 508 1924, Fax: + 351  22 508 1952

***

Announcements:

Erosion Course: www.fe.up.pt/~fpinto/Erosion

CoastLab06: http://paginas.fe.up.pt/~lpneves/coastlab06

4 de ago de 2005

Abordagens diferentes, em duas obras, sobre a ecologia de peixes

Abordagens diferentes, em duas obras, sobre a ecologia de peixes


Relações de peixes com gente


04/08/2005

Por Eduardo Geraque

Agência FAPESP - Quando a ecologia transborda, qualquer avaliação pode enfocar vários outros aspectos além do essencialmente científico. Filosofia, cultura, economia. A multidisciplinaridade emerge literalmente do campo de jogo em dois livros sobre peixes lançados esta semana.

Se os evolucionistas não têm dúvidas de que a vida surgiu no ambiente aquático, as narrativas indígenas dos povos tukano e tuyuka, que habitam a região do Alto Rio Tiquié, no noroeste amazônico, também revelam uma idéia semelhante. No começo de tudo, mostram os textos publicados na obra Peixe-gente no Alto Rio Tiquié, conhecimentos tukanos e tuyuka ictiologia, etnologia, a humanidade era gente-peixe.

Com a evolução, revela ainda o livro editado pelo Instituto Socioambiental (ISA) em parceria com as próprias comunidades indígenas e com o Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo, uma parte daquela população inicial deu origem à humanidade, tal como se conhece hoje. A outra parte ficou na camada das águas e passou a hostilizar a humanidade. A relação entre gente e peixe, e como o segundo surgiu e se diversificou, é o mote das narrativas dos indígenas copiladas no livro.

Além da mitologia indígena, o conhecimento empírico das tribos sustentou parte de outro estudo publicado em conjunto na mesma obra. Os atores do campo científico beberam na cultura local para descrever 147 espécies identificadas no noroeste amazônico. As informações taxonômicas são reforçadas por dados ecológicos precisos, como a variação das populações ao longo dos trechos dos rios, rotas de migrações e freqüência de pesca.

Para continuar avançando nas descobertas é preciso que se navegue agora mais para baixo, em direção aos níveis inferiores da cadeia trófica. A relevância da segunda obra publicada esta semana, o livro chama-se Ecologia trófica de peixes ? com ênfase na planctivoria em ambientes lênticos de água doce do Brasil, está, antes de mais nada, na origem do estudo. As informações ecológicas disponíveis sobre a interação dos peixes tropicais com o ecossistema em que eles vivem são diminutas.

"O estudo revela que o acará Geophagus brasiliensis, ao contrário do que se imaginava, consome bastante zooplâncton. A alimentação dele não está relacionada apenas com os sedimentos", disse Odete Rocha, uma das autoras da obra ao lado do pesquisador irlandês Kennedy Roche, à Agência FAPESP.

O acará, além de ser genuinamente neotropical, é uma peça importante nos lagos e represas de várias partes do Brasil. No caso específico do estudo realizado pela dupla de pesquisadores, as informações foram obtidas a partir da represa do Broa, localizada na região de São Carlos, interior de São Paulo.

"Toda a informação nova sobre a ecologia de peixes tropicais será bastante útil para as próximas pesquisas relacionadas, por exemplo, com o ambiente", explica Odete, também professora do Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva da Universidade Federal de São Carlos (UFScar). Segundo a pesquisadora, no caso específico do acará, tanto questões econômicas e sociais como ambientais podem se desdobrar do problema principal.

Esse tipo de peixe, explica a pesquisadora, é bastante utilizado em experimentação, pela sua resistência. "E, agora, é possível mudar a alimentação dos animais que estão em cativeiro. Isso pode diminuir o custo da criação e ainda aumentar a produtividade", diz Odete.

Outro ponto fundamental: a relação, e essa nem sempre é positiva, entre espécies nativas, como o acará, e outra autóctones, como a corvina, que foi introduzida na bacia do Paraná. "Esses dois peixes competem por alimento e isso pode causar problemas ambientais no futuro", explica a pesquisadora.

Odete também está preparando um novo livro, que será lançado no próximo mês, exclusivamente sobre a questão delicada das espécies invasoras.