30 de ago de 2010

Museu Oceanográfico da Univali terá nova sede

Fonte: Jornal da Ciencia

Considerado o maior da América Latina, o Museu Oceanográfico da Universidade do Vale do Itajaí (Univali) será instalado no campus da instituição em Balneário Piçarras (SC)

As reformas para adaptar a estrutura já estão em andamento e a previsão é que a inauguração seja feita até o próximo ano. Todo o acervo do Museu Oceanográfico da Univali está reunido e, em breve, estará acessível ao público.

A transferência do acervo para um único lugar permitiu inventariar as coleções, possibilitar o acesso aos acadêmicos, professores e pesquisadores e montar uma exposição à altura do museu, explica Jules Marcelo Rosa Soto, curador do Museu Oceanográfico da Univali.

"Contamos com um acervo de importância internacional. São cerca de 200 mil peças catalogadas com um efetivo sistema de curadoria e um rigoroso protocolo de manutenção. Seguramente está entre os quatro principais acervos de história natural do Brasil e na temática oceanográfica é o maior da América Latina", diz o pesquisador.

Segundo Jules, o projeto de construção do Museu Oceanográfico, em Itajaí, não foi descartado. No entanto, a estrutura que está sendo montada em Balneário Piçarras pode ser rapidamente vertida para uma nova temática por meio de acervos que a instituição, mantém com instituições parceiras.

Ele detalha que a área de exposição do Museu Oceanográfico Univali em Balneário Piçarras terá mil metros quadrados o que somado a todas as demais áreas do museu atinge aproximadamente quatro mil metros quadrados de área construída.

"Será um dos maiores museus de história natural da América Latina e o terceiro maior museu oceanográfico do mundo. A temática da exposição abrangerá a formação dos oceanos, a evolução dos seres vivos, a história da oceanografia, os recursos vivos e minerais dos oceanos, a preservação do meio ambiente marinho e uma ampla exposição sobre os seres vivos marinhos, disposta em ordem filogenética, isto é, dos organismos mais primitivos e antigos como esponjas, corais, moluscos, crustáceos, aos mais complexos e evoluídos como peixes cartilaginosos, peixes ósseos, répteis marinhos, aves marinhas e mamíferos marinhos", pontua.

O acervo reúne coleções de diversos grupos de grande importância científica, destacando a maior coleção de conchas da América Latina, com 88.813 amostras que incluem as duas conchas mais procuradas por colecionadores no mundo. Há também a maior coleção de mamíferos marinhos do Brasil, com 708 lotes que incluem baleias, golfinhos, focas, lobos e leões marinhos de diversas espécies, a maior coleção da América Latina de tartarugas marinhas, com 644 lotes; a maior coleção de elasmobrânquios (tubarões e raias) da América Latina; e a quarta maior do mundo, com 5.017 espécimes que incluem exemplares raros e únicos em nosso continente.

Segundo Jules, o prédio onde o Museu será instalado reúne todos os quesitos de segurança, acessibilidade e viabilidade de montagem de uma exposição com um projeto museográfico moderno e estará estrategicamente instalado em local de fácil visitação.

"Estaremos às margens da BR 101, próximo ao Parque Beto Carrero World. Isso é estratégico para o acesso de turistas. Além disso, estamos certos que a implantação do museu será um ganho para o município de Balneário Piçarras", conclui.

O acervo que compõe o Museu Oceanográfico da Univali começou a ser montado em 1976 por Jules Soto. Ele foi catalogado em 1982 e institucionalizado por meio de uma ONG em 1987 quando já contava com cerca de cinco mil peças seletas, algumas delas espécies inéditas para a ciência que viriam a ser descritas nos anos seguintes. Em 1999, o museu passou a ser uma unidade da Univali.
(Com informações da Assessoria de Imprensa da Univali)

26 de ago de 2010

2nd International Marine Conservation Congress


2nd International Marine Conservation Congress



The 2011 International Marine Conservation Congress (IMCC) represents the second stand-alone marine conservation meeting of the Society for Conservation Biology's (SCB) Marine Section. The first IMCC in Washington DC, 2009, attracted over 1200 participants. This landmark Congress will serve to unite the marine conservation community and develop new and powerful tools to further marine conservation science and policy.

The IMCC is aimed at advancing marine conservation by facilitating discussion among scientists, managers and policy makers and developing science-based products that inform policy change and implementation. To meet this objective, the IMCC will include plenaries, contributed presentations and posters, symposia, workshops, focus groups and debates. During interactive symposia and workshops, participants will go beyond one-way communication by developing innovative solutions to current conservation challenges. Symposia will include a select group of speakers and creative discussion. Focus groups will consist of multi-disciplinary teams focused on crafting policy and management recommendations, briefings, white papers or peer-reviewed publications.

The 2nd International Marine Conservation Congress will be held from 14-18 May 2011 at the Victoria Convention Centre, Victoria BC, Canada. For additional information contact the program committee at
IMCCprogram@gmail.com

or visit the IMCC web site:
http://www.conbio.org/IMCC2011/

9 de ago de 2010

Oceanografia sofre carência de gente e de dados confiáveis

Fonte:Folha de São Paulo, por RICARDO MIOTO

Comentário: O texto abaixo é uma uma versão editada da notícia original publicada na Folha de São Paulo com comentários sobre algumas informações incorretas da notícia original. Oceanógrafos, por favor mandem seus comentários sobre a notícia abaixo!

O Brasil tem quase 8 mil quilômetros de costa e o pré-sal pode ser uma grande promessa econômica, mas a ciência do mar, no país, ainda engatinha na praia.

Não há recursos humanos: em 2008, 673 profissionais foram formados na área --a maioria engenheiros de pesca e oceanógrafos.

Em comparação, ao ano o país forma cerca de mil físicos, mais de 7 mil nutricionistas e mais de 100 mil bacharéis em direito.

"O maior problema, de longe, é a falta de gente. Dinheiro não falta", diz Carlos Schettini, da Universidade Federal do Ceará.

Apesar da variedade de temas da área, que abrange desde as correntes marinhas, passa pela composição química dos oceanos e chega aos organismos que vivem neles, não existem também grandes congressos científicos nacionais sobre ela.
Comentário: Existem sim grandes congressos em Oceanografia no Brasil. Este ano o Congresso Brasileiro de Oceanografia (CBO) teve sua quarta edição na cidade de Rio Grande, e os números do evento demonstram a popularidade da oceanografia no Brasil: mais de 2000 inscrições, apresentação de 1218 trabalhos, mais de 30 minicursos e cursos técnicos, 32 mesas-redondas e workshops e 195 palestrantes. Além da CBO, a tradicional Semana Nacional da Oceanografia continua a atrair estudantes de todo o Brasil.

SÉRIES

Não há, aliás, sequer uma sociedade de porte que una os cientistas. Além disso, não existe um instituto responsável por coletar dados no mar que sirvam de referência.
Comentário: A informação de que não existe uma "sociedade de porte que una os cientistas" em oceanografia está incorreta. A AOCEANO (Associação Brasileira de Oceanografia) teve início com a graduação da primeira turma do curso de Oceanologia da Fundação Universidade Federal do Rio Grande, em 1974. Desde sua criação, a AOCEANO sempre trabalhou para unir os cientistas do mar no Brasil, e sempre lutou pelos direitos dos Oceanógrafos. A AOCEANO teve um papel essencial no processo de regulamentação da profissão de oceanógrafo no Brasil.

"Nossas séries temporais são muito pequenas, é muito difícil achar uma série com dados de um período maior do que 10 anos", diz Ruy Kikuchi, oceanógrafo da Universidade Federal da Bahia.

"Precisamos de uma Noaa. Ou um Serviço Geológico do Brasil para o mar, um Serviço Oceanográfico Brasileiro."

A Noaa é a agência americana que monitora oceanos e atmosfera. Entre mudanças de nome, tem 203 anos --e, então, séries históricas de balançar coração de cientista.

Para os cientistas, a pequenez das ciências do mar pode ter causas históricas no país, que teria tradição mais continental do que marítima.

Eles elogiam o papel da Marinha no levantamento de dados oceânicos, mas dizem que seria bom evitar que esses dados fossem militares --a Noaa, por exemplo, é civil.

"O Brasil comporta um instituto de pesquisa da Marinha, próximo de questões de interesse da Marinha, mas isso não significa não possamos ter uma agência civil", diz Paulo Nobre, do INPE.

Leia a notícia original na Folha de São Paulo Online.

5 de ago de 2010

Consumo na China levou à matança de 280 mil tubarões no Brasil, diz ONG

Fonte: BBC Brasil

A demanda por alimentos feitos a partir da barbatana de tubarão na Ásia está sendo apontada como a causa da matança ilegal de 280 mil animais na costa brasileira, nos cálculos de uma organização não-governamental com base em Porto Alegre.

O Instituto de Justiça Ambiental, que fez a estimativa a partir de autos de infração e apreensões do Ibama no Pará, entrou com uma ação na Justiça na qual demanda uma indenização bilionária de uma empresa de pesca por danos ambientais "irreversíveis e incontáveis" na costa paraense.

Os danos se referem à captura ilegal de 25 toneladas de barbatanas de tubarão e bexigas natatórias de animais não identificados, que a ONG acusa uma empresa de processar e revender ilegalmente. A mercadoria seria enviada provavelmente de portos no Rio Grande do Sul para o mercado asiático.

O instituto pede uma indenização de quase R$ 1,4 bilhão. No entanto, diz a ONG, o valor deverá subir à medida que forem apresentados pareceres técnicos sobre todos os ecossistemas afetados no decorrer do processo.

"Nunca ouvimos nada parecido. O que é assustador é que provém de apenas uma empresa. Imaginem então as quantidades que escapam da fiscalização do Ibama/PA", disse o diretor do IJA, Cristiano Pacheco.

"Quase não se fala na área costeira amazônica. Os brasileiros precisam saber que é a mais rica do país em biodiversidade marinha, banhada pela foz do Rio Amazonas."

Leia a notícia completa na BBC Brasil

4 de ago de 2010

2º Simpósio Experiências em Gestão dos Recursos Hídricos por Bacia Hidrográfica

O 2º Simpósio Experiências em Gestão dos Recursos Hídricos por Bacia Hidrográfica organizado pelo Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Consórcio PCJ), ocorrerá entre os dias 23 e 26 de novembro de 2010, no Tauá Hotel & Convention, localizado na cidade de Atibaia - SP.

Para maiores informações, acesse www.agua.org.br

Mensagem da Organização do evento

Vivemos um momento crucial na história da humanidade. Nossas atividades econômicas e nosso estilo de vida, que tanto trouxeram desenvolvimento e qualidade de vida, se mostram cada vez mais insustentáveis pelo nosso planeta.

Segundo a Organização Meteorológica Mundial, agência da Organização das Nações Unidas (ONU), o ano de 2009 foi o quinto mais quente da história da medição praticada desde 1850. Seguramente, a primeira década do século 21 registrará as temperaturas mais altas da série histórica. A temperatura do planeta aumenta cerca de 0,15° Celsius por década, desde 1970.

As alterações do clima já afetam a vida das pessoas e as economias mundiais com prejuízos financeiros e sociais. Projeções feitas pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, da Universidade de São Paulo, no relatório que avaliou o impacto do aquecimento global no Brasil mostram que o PIB vai ter uma redução de até R$ 3,6 trilhões em 2050.

De acordo com a Organização Internacional para a Migração, até 1 bilhão de pessoas deverão deixar suas casas nas próximas quatro décadas por conta das mudanças climáticas.

Neste contexto todo, a água e sua gestão exercerão um papel dominante nas discussões, tendo em vista sua escassez e consumo abusivo. Segundo previsões da Unesco, 1,8 bilhão de pessoas podem enfrentar escassez crítica de água em 2025, e dois terços da população mundial podem ser afetados pelo problema naquele ano.

Diante deste cenário, o século 21 que é intitulado o século da sustentabilidade, exige mudanças em nosso modo de viver e da apresentação de novas experiências e tecnologias.

O 2º Simpósio "Experiências em Gestão dos Recursos Hídricos por Bacia Hidrográfica", vem para inovar, pois, pretende mostrar o que de fato se está fazendo na área, visando à sobrevivência e qualidade de vida, além de divulgar o que está acontecendo na prática em todo o Brasil.

O simpósio busca ser um espaço para que diferentes setores da sociedade possam debater o atual desenvolvimento econômico-social e discutir experiências envolvendo a gestão descentralizada e participativa dos recursos hídricos, suas interfaces com educação ambiental e comunicação social na garantia da sustentabilidade.

O evento é promovido pelo Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Consórcio PCJ) e visa, também, apreciar as políticas públicas em desenvolvimento ou em fase de implantação e identificar o reflexo dessas ações para os recursos hídricos. E, finalmente, abordar o balanço hídrico e o controle qualitativo para a gestão dos recursos hídricos.

A expectativa é que o simpósio traga importantes contribuições para o sistema de gestão dos recursos hídricos e que os participantes possam trazer novos conhecimentos e alternativas, além de com a troca de experiências poderem encontrar soluções para as suas demandas. Espera-se, assim, contribuir para a construção de idéias e políticas que promovam o desenvolvimento sustentável.

1 de ago de 2010

IV Simpósio de Controle do Pescado (SIMCOPE) e a XVI Reunião da REDPAN


IV Simpósio de Controle do Pescado (SIMCOPE) e a XVI Reunião da REDPAN


O encontro desse ano receberá a “Reunião Regional da Rede Panamericana de Inspeção, Controle de Qualidade e Tecnologia de Produtos Pesqueiros” e acontecerá em Santos-SP, no período de 20 a 24 de setembro de 2010.

Confirmando a sua vocação para fomentar debates profundos e amplos, durante o IV SIMCOPE, ocorrerão também o “III Encontro de Tecnólogos de Pescado” e o "II Workshop da Produção Pesqueira Marinha". Além disso, outros eventos paralelos proporcionarão um ambiente propício ao fomento de negócios e aproximação entre empresas de pescado e fornecedores.

Estão previstas palestras e discussões relacionadas a quatro Eixos Temáticos:
  • Situação da inspeção e controle de qualidade de produtos pesqueiros, destinados ao mercado internacional;
  • Situação higiênico-sanitária do pescado e produtos pesqueiros comercializados nos países da região;
  • Processos e produtos pesqueiros inovadores;
  • Atuação da Rede de Moluscos;
O Tema “Segurança Alimentar” é uma condição determinada pela disponibilidade e acesso aos alimentos e também pela capacidade individual de seu aproveitamento biológico.

No Simpósio será abordada também a importância da qualidade do alimento nesse contexto. Conheça a estrutura do IV SIMCOPE – www.simcope.com.br

Normas para Apresentação de Trabalhos

Os Resumos Expandidos dos trabalhos devem ser submetidos conforme as instruções abaixo. Só serão aceitos trabalhos que tiverem no mínimo um dos autores inscritos no evento e após avaliação efetuada pelo Comitê Científico. Cada inscrição dá direito à submissão de dois trabalhos.

Resumo Expandido

O resumo expandido de trabalho inédito em português ou espanhol deverá ser enviado eletronicamente, para o e-mail: resumos@simcope.com.br, até o dia 15 de agosto de 2010, para apreciação pela Comissão Científica e publicação nos Anais.

XIV World Water Congress


XIV International Water Resources Association's World Water Congress


DATE: September 25-29, 2011 - VENUE: Porto de Galinhas/PE, Brazil

The XIV World Water Congress continues a tradition of meetings designed specifically for water resources professionals - practitioners, researchers, decision-makers, and others. A triennial event of the International Water Resources Association (IWRA), the recent Congresses have been held in Montpellier (2008), New Delhi (2005) and Madrid (2002).

IWRA, the Congress International Scientific Committee (ISC), and the Secretariat of Water and Energy Resources of the State of Pernambuco, Brazil (SRHE), are pleased to invite interested participants to the XIVth Congress in Porto de Galinhas, near the city of Recife, during the period September 25-29, 2011.

The XIV Congress will address Adaptive Water Management: Looking to the Future. The ISC, composed of members from regional and international bodies, universities and research organizations, has planned four central themes:

1) adaptive water management
2) water resources and global change
3) governance and water law
4) knowledge systems.

TIMELINE
October 1, 2010: Deadline for special session proposals
November 1, 2010: Deadline for submission of abstracts
December 2010: Inform authors of accepted presentations/ posters
May 2011: deadline for submission of the final version of presentations
September 25-28, 2011: Congress
September 29 - October 1, 2011: Optional trips