5 de nov de 2011

Fórum Permanente da Pesca Marinha do Sul do Brasil

Fonte: Jornal Agora

Em evento que reuniu armadores da pesca industrial, pescadores, professores, estudantes, secretários municipais e representantes do Governo Federal, entre outros, na sala Estuários do Cidec-sul da Furg, na tarde de hoje, 18, foi criado o Fórum Permanente da Pesca Marinha do Sul do Brasil. O novo órgão será integrado por representantes dos sindicatos dos Armadores e das Indústrias de Pesca de Itajaí (Sindipi, de Santa Catarina) e dos Armadores da Pesca do RS (Sindarpes/RS), Escritório Regional do Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA), instituições de pesquisa e universidades do Rio Grande e de Itajaí.

Conforme o professor Marcelo Vasconcellos, do Instituto de Oceanografia da Furg, envolvido na iniciativa, o principal objetivo deste Fórum é criar espaço de discussão entre os setores produtivo, acadêmico, governamental e não-governamental para debater ações relativas à gestão da pesca que possam subsidiar o Governo Federal em suas decisões sobre a regulamentação da pesca industrial e semi-industrial na região Sul. Ele observa que está sendo criado um espaço que deveria ter sido instituído pelo Governo há muito, mas não foi.

O Fórum Permanente da Pesca Marinha do Sul do Brasil, é semelhante ao também pioneiro Fórum da Lagoa dos Patos, que envolve a pesca artesanal. É um órgão colegiado de função consultiva ao setor pesqueiro marítimo no âmbito político, econômico, social e ambiental, que terá uma coordenação. Na reunião de ontem, também começou a ser discutido o estatuto do novo órgão e sua coordenação interina.

O encontro contou com a participação do diretor de Ordenamento da Pesca do MPA, João Dias, segundo o qual existe entendimento e disposição dos Ministérios da Pesca e do Meio Ambiente de avançar no processo de gestão dos recursos pesqueiros. Dias disse acreditar que é neste formato (organização em fórum) que ocorrerão os avanços.

O coordenador técnico do Sindarpes/RS, Jorge Melo, observou que a proposta com a criação do Fórum é tirar o estigma de que o setor produtivo é só extrativista e tornar a pesca mais sustentável e economicamente viável. Melo salientou que, atualmente, aqueles que tomam as decisões sobre o setor não são subsidiados de informações regionais, que são importantes para as tomadas de resoluções. E o Fórum irá levar essas informações até os que decidem.

Por Carmem Ziebell
carmem@jornalagora.com.br