31 de mai de 2012

8 de Junho - Dia dos Oceanos


No Dia 8 de Junho, pessoas ao redor do planeta celebram e honram os oceanos, pelo que eles nos fornecem e pelo que eles representam para os seres humanos. Faça parte desta celebração mundial!

O Dia Mundial dos Oceanos é organizado pelo The Ocean Project e a The World Ocean Network deste 2002.

Confira a página do evento AQUI: http://worldoceansday.org

27 de mai de 2012

Nações Unidas lança livro on-line sobre os mares

FONTE: JC e-mail 4503, de 23 de Maio de 2012

Nações Unidas lança livro on-line sobre os mares e Rio+20 promoverá, no dia 17 de junho, ciclo de debates sobre biodiversidade.

Para marcar o Dia Internacional da Biodiversidade, nesta terça-feira (22), a Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) da Organização das Nações Unidas lançou on-line o livro "Um oceano: muitas palavras, muita vida". A publicação destaca que os mares cobrem 71% da superfície. Cerca de 40% da população mundial vivem a cem quilômetros da costa. A estimativa é que 250 mil espécies marinhas sejam conhecidas pelo homem, mas ainda é necessário muito esforço em pesquisas para cobrir melhor a imensa biodiversidade submersa.

O livro traz dados e estimativas indicando que toxinas produzidas por certas espécies marinhas podem auxiliar na produção de remédios, que devem movimentar mais de US$ 5 trilhões. Já os ecossistemas costeiros prestam serviços ambientais, como o turismo e a proteção de linha de costa contra tempestades, avaliados em cerca de US$ 26 bilhões.

O prefácio, assinado pelo brasileiro Braulio Ferreira de Souza Dias, secretário-executivo da CBD, ressalta 15% da proteína animal consumidas são obtidas dos peixes. E afirma que a proteção dos ecossistemas marinhos é crucial para o bem-estar humano.

O livro está disponível no link: http://www.cbd.int/idb/doc/2012/booklet/idb-2012-booklet-en.pdf

Os oceanos também conquistaram grande espaço na Rio+20. No dia 17 de junho, está previsto ciclo de debates sobre biodiversidade na Conferência das Nações Unidas Sobre Desenvolvimento Sustentável, que abordará a necessidade de criar mecanismos de proteção para os mares.

"São águas que abrigam os maiores animais que já viveram na terra e também bilhões e bilhões de animais minúsculos", diz o coordenador da Gerência de Biodiversidade Aquática e Recursos Pesqueiros da Secretaria de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, Roberto Gallucci, em nota divulgada pelo Ministério. [O Globo]

22 de mai de 2012

31st International Conference on Ocean, Offshore and Arctic Engineering (OMAE 2012)


The 31st International Conference on Ocean, Offshore and Arctic Engineering (OMAE 2012) will be held in Rio de Janeiro, Brazil. Join your colleagues from industry, academia and government from July 1-6, 2012.

OMAE 2012 is the ideal forum for researchers, engineers, managers, technicians and students from the scientific and industrial communities from around the world to meet and present advances in technology and its scientific support; to exchange ideas and experiences whilst promoting technological progress and its application in industry; and to promote international cooperation in ocean, offshore and arctic engineering. Following on the tradition of excellence of previous OMAE conferences, more than 800 technical papers are planned for presentation.

Technical Program
Our program will follow the tradition of excellence standard in all previous OMAE conferences. Your host COPPE/UFRJ is pleased to announce two special events that will take place during OMAE 2012. The following 11 standard symposia plus 2 special symposia are planned:

SYMP 1 Offshore Technology
SYMP 2 Structures, Safety and Reliability
SYMP 3 Materials Technology
SYMP 4 Pipeline and Riser Technology
SYMP 5 Ocean Space Utilization
SYMP 6 Ocean Engineering
SYMP 7 Polar and Arctic Sciences and Technology
SYMP 8 CFD and VIV
SYMP 9 Ocean Renewable Energy
SYMP 10 Offshore Geotechnics
SYMP 11 Petroleum Technology Symposium
SYMP 12 Ronald W. Yeung Honoring Symposium on Offshore and Ship Hydrodynamics
SYMP 13 Workshop on Pre-Salt Technology: Challenges and Opportunities

More information in the Conference website:
http://www.asmeconferences.org/omae2012/

19 de mai de 2012

A saga do Alpha Crucis

Fonte: Revista FAPESP por Fabricio Marques

Batizado de Alpha Crucis, nome da estrela que representa São Paulo na bandeira do Brasil, o navio iniciou então sua viagem inaugural até o porto de Santos com chegada prevista para meados de maio. A primeira singradura ganhou nome, InterOceanos, e um pôster comemorativo. O navio é esperado com ansiedade por professores e alunos do Instituto Oceanográfico da USP e de outras instituições paulistas porque propiciará um aumento de qualidade nas suas pesquisas. Com 64 metros de comprimento por 11 metros de largura, pode permanecer em alto-mar, sem reabastecer, por até 40 dias. A autonomia permitirá viagens transoceânicas, o que é um salto em relação a seu antecessor, o navio Professor W. Besnard, cuja autonomia era de 15 dias e, por isso, não podia distanciar-se muito da costa. “A aquisição vai tornar a oceanografia brasileira mais competitiva e permitir que trabalhemos em parceria com países que já realizam pesquisas em alto-mar no Atlântico Sul”, diz Frederico Brandini, professor do Instituto Oceanográfico. “O Atlântico Sul é um dos oceanos menos conhecidos do mundo”, afirma. O Alpha Crucis pode levar 40 pessoas a bordo, sendo 25 pesquisadores e 15 tripulantes, 10 a mais do que o antecessor. “Isso permitirá que o navio leve equipes maiores, com especialistas de várias disciplinas. Os estudos sobre o oceano são cada vez mais multidisciplinares”, diz Ilson Silveira, professor do Instituto Oceanográfico – e um dos pesquisadores da instituição que mais utilizaram o Professor W. Besnard.

Dotado de dois motores e um sistema que permite mantê-lo parado em alto-mar, o Alpha Crucis também propiciará estudos mais acurados sobre correntes marinhas que o Professor W. Besnard, que tem apenas um motor e sofria deslocamentos quando parava para executar uma estação oceanográfica. “Tendo um navio com concepção moderna e equipamentos de última geração, o aumento da qualidade das informações coletadas e das pesquisas será notável”, diz Luiz Nonnato, engenheiro do laboratório de instrumentação do Instituto Oceanográfico e responsável pelo desenho dos novos equipamentos da embarcação. Entre eles, destaca-se, por exemplo, uma ecossonda multifeixe, que permite obter imagens do fundo do oceano para levantamento de relevo. “Nunca tivemos um equipamento desse tipo e era um desejo antigo”, diz Nonnato. Dois sistemas acústicos, próprios para levantamento de correntes marinhas, também estão instalados, assim como uma estação meteorológica bem equipada. Uma sala de computadores integra os dados de todos os equipamentos, permitindo que os pesquisadores utilizem os dados em tempo real.

Origem das Imagens: © LUIZ NONNATO e CHICO VICENTINI


Pronto para partir em Seattle: financiamento da FAPESP e da USP



A sala de controle do Alpha Crucis antes da reforma...


... e depois de ser reequipada


Computadores vão integrar os dados coletados pelos equipamentos científicos

Leia a Reportagem Completa AQUI:
http://revistapesquisa.fapesp.br/wp-content/uploads/2012/05/Pesquisa_195-13.pdf

13 de mai de 2012

Brasil estuda criar instituto nacional de oceanografia

FONTE: Folha de São Paulo

O governo está estudando criar um instituto ou centro nacional de oceanografia para coletar informações sobre a costa brasileira. A informação é do climatologista Carlos Nobre, do MCTI (Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação).

"Estamos pensando no melhor formato, se será um centro ou instituto nacional temático nos moldes dos INCTs [Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia]. Ainda não sabemos como será, mas essa é uma das prioridades do governo", disse Nobre nesta terça-feira durante a reunião magna da ABC (Academia Brasileira de Ciências), no Rio de Janeiro.

A novidade veio como resposta ao físico e oceanógrafo da USP Edmo Campos, que falou sobre a necessidade de pesquisas nacionais oceanográficas no Brasil.

"Os engenheiros que estão projetando o pré-sal acham que o oceano é uma piscina sem movimento, que basta colocar uns tubos e extrairemos petróleo de camadas profundas. Mas não é assim", disse Campos.

De acordo com o especialista, que é um dos 25 cientistas brasileiros membros do IPCC, o painel da ONU sobre o clima, faltam informações sobre o movimento do oceano na costa brasileira e sobre os impactos das mudanças climáticas nessa dinâmica. "Ter um grande instituto é a única forma de fazer pesquisa oceanográfica em escala nacional."

"Sabemos que o Atlântico Sul está sofrendo alterações que podem se propagar aos demais oceanos. Mas não temos trabalhos de observação suficientes para compreender esse fenômeno", disse Campos.

Já para a presidente da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), a biomédica Helena Nader, a Marinha deve investir em pesquisas nacionais sobre o mar.

A SBPC e a ABC apoiam a proposta relatada pelo deputado Fernando Jordão (PMDB-RJ) no Projeto de Lei 8.051/2010, que divide os royalties dos contratos de concessão do pré-sal entre o MCTI e a Marinha.

NAVIO

Edmo Campos, da USP, falou ainda sobre o Alpha Crucis, navio oceanográfico que deve chegar ao porto de Santos, em São Paulo, no próximo dia 10. O navio foi comprado pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) por US$ 11 milhões e tem capacidade para 20 pessoas.

Esse será o único navio nacional para pesquisas oceanográficas disponível no país. O anterior, batizado de professor Wladimir Besnard, sofreu um incêndio e foi inutilizado em 2008. "Estamos todos ansiosos pela chegada do Alpha Crucis e pelo início das pesquisas", disse.

3 de mai de 2012

Primeiro Fórum Regional do Mar


OBJETIVO GERAL
Integrar o público científico e acadêmico, as organizações civis, governamentais e privadas, das áreas de Saúde, Meio Ambiente e Turismo, na Gestão dos Ambientes Costeiros, salientando a inter-relação dos temas no desenvolvimento socioeconômico e na qualidade de vida.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Promover uma visão inter-setorial e multidisciplinar dos ambientes costeiros visando o desenvolvimento sustentável associado ao desenvolvimento socioeconômico.
Compreender a biodiversidade e os bens naturais como elementos vitais na perspectiva do desenvolvimento turístico e na qualidade de vida.
Estimular a recolha, gestão e partilha de informações referentes aos ambientes costeiros, promovendo intercâmbios sistemáticos entre as áreas de Saúde, Meio Ambiente e Turismo.

JUSTIFICATIVA
A falta de integração entre os setores ambiental, turístico e de saúde está na origem de grande parte dos problemas que afligem a zona costeira e somente um gestão compartilhada destes entes é que poderá levar ao desenvolvimento regional e à qualidade de vida.

PÚBLICO ALVO
O Fórum Regional do Mar será dirigido aos especialistas e acadêmicos das áreas de Turismo, Saúde/Sanitária e Meio Ambiente, aos conselhos respectivos, aos sindicatos e institutos de pesca, aos Gestores Públicos, aos empresários dos ramos de Turismo e Hotelaria, aos praticantes de esportes aquáticos – Surf e outros, as entidades não governamentais ligadas as temáticas abordadas e as comunidades habitantes e veranistas dos ambientes costeiros do Brasil , Uruguai e Argentina, em particular dos Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

LOCAL
Centro de Convenções da Nova Ulbra Torres.
Especialmente projetado para receber convenções, congressos, palestras, formaturas e apresentações artísticas, o Centro de Convenções da ULBRA Torres possui auditório com capacidade para 906 pessoas, acomodadas em confortáveis poltronas, além de 02 camarotes.

Valores de inscrição
Estudantes Graduados, Profissionais e público em geral
Inscrições antecipadas de 20/01 a 05/05 : R$ 40,00
de 06/05 a 29/05 : R$ 60,00
Faça sua Inscrição neste endereço:
http://portal.ulbratorres.com.br/forumdomar/

CONTATO
Fone +55 -51 -36641411 Ramal 246
email forumdomar@torres.rs.gov.br
Av. Bejamin Constant 154 2° piso - Centro Torres/RS
Cep 95560-000